Um resumo do Encontro de Analistas da Scot (Front)

  • Por Rodrigo Albuquerque - 30 de Novembro de 2019

Companheira(o) que carrega o pó da viagem,

“É junto dos bão que a gente fica mió” (Guimarães Rosa). Pois bem, vou compartilhar o que absorvi nas prosas do Encontro de Analistas da Scot Consultoria de 2019, ocorrido na última sexta-feira.

1)    RECADO DA “MÃE DINAH”
Imagino que deve existir na frente do prédio do CEPEA, uma frase mais ou menos assim: “estamos há 30 dias sem reclamação por parte dos pecuaristas. Nosso recorde é 30 dias. Estamos trabalhando para melhorar este índice. Colabore”.

2)    BEEFRADAR (estabilidade assume o comando, com indefinição de tendência)
30% queda | 70% estabilidade | 30% alta

3)    HORA DO QUILO
“As quatro palavras mais caras são ‘desta vez é diferente” (J. Templeton). Vejo muita gente pensando assim, em função da China...

4)    TO BEEF OR NOT TO BEEF, A SUA REFLEXÃO SEMANAL
Muito cuidado para não chegar muito animado no final da festa. Quer um exemplo? Resp.: comprar agora um bezerro pelo valor de R$ 2.550,00 (como vi nesta semana). Teremos anos muito promissores pela frente, mas a euforia nunca é bem vinda.

5)    O LADO “B” DO BOI
“Desta vez é diferente” não serve para o mercado, mas servirá para este Front. Tivemos uma programação bastante interessante no Encontro de Analistas da Scot Consultoria no dia 29.11.19. Foram nomes muito significativos no campo da macroeconomia e do mercado pecuário.


Caso você não tenha conseguido ir ao evento, fique tranquilo. Compartilharei o que entendi a respeito da fala dos convidados através de um arquivo de áudio (podcast que vai ao ar em alguns dias para os assinantes), o qual reflete a minha opinião e compreensão sobre o conteúdo veiculado no Evento, não necessariamente refletindo a opinião de cada debatedor. Espero que seja útil.

Até a próxima!

Fotos em destaque: rodada a cavalo na Fazenda.

Artigos Relacionados

Comentários ( 0)

Escreva um comentário

Next Sites

Oops... Página não encontrada.

Desculpe, mas a página que está a procura não existe.