Tá todo mundo tenso (MiniFront)

  • Por Rodrigo Albuquerque - 30 de Janneiro de 2021

Companheira(o) que carrega o pó da viagem,

“Tá tudo mundo tenso”, é a conclusão recorrente que eu notei nos últimos dias, em todos os elos da cadeia pecuária.

O varejo de mercado interno tem lidado com a parte mais difícil da cadeia, pois está oferecendo um produto em nível de preço recorde para um mercado (no mínimo) convalescente de saúde financeira. Muitos consumidores de carne commodity já abandonaram o consumo, fato cada vez mais retratado na TV aberta. Obs.: a carne de qualidade segue em outro trieiro, bem mais ameno e vai fluindo seu curso.

Compre online: https://www.allflex.global/br/

O atacado (frigorífico) está espremido entre a fortaleza resiliente da oferta restrita de gado para abate e, de outro lado, segue pressionado pelo varejo que luta para manter suas vendas, especialmente em São Paulo (mudanças na alíquota de ICMS de 7% para 13,3% aplicada nas vendas para os varejistas optantes do Simples Nacional deixou a carne mais salgada ainda em até 6.3%, dados da Radar Investimentos).

Do lado externo, os frigoríficos encontram extrema dificuldade em atender aos pedidos de exportação, por dificuldade de obtenção de carne em volume. O comercial quer vender, mas como, dada a insegurança de obtenção de matéria-prima? Em muitos casos, preço não é problema, o acordo comercial está maduro, mas... Há ainda contratos antigos a preços menores que os atuais para serem cumpridos, um dificultador.


Os importadores estão tensos com o nível de preço da arroba e da carne brasileira mas, como têm poucas alternativas, ainda movimentam o mercado. A tensão neste elo não vem do preço, por maior que ele esteja, mas sim da falta de disponibilidade do produto.

Para finalizar: “eu deveria estar alegre, mas estou tenso”, frase comum entre pecuaristas. A alegria deveria vir dos atuais preços recordes da arroba, inaugurando a centena “dos trezentão” na principal referência da arroba (Indicador CEPEA/B3, a prazo, R$ 300,18, de 28/jan). Quem veio com estoque de gado da recria a pasto (e insumos preferencialmente) fruto das compras de 2020, ainda terá margem excelente. Mas quem entrar agora para comprar insumos e reposição, vê as contas incrivelmente não fecharem, apesar do preço recorde. Esta é a situação real. Nem vou falar do seríssimo problema das chuvas irregulares e em volume absolutamente insatisfatório, fato que deixa a turma do pasto assombrada demais.

A bolsa entrou na onda da tensão total com vários pregões ajustando no negativo. A B3 já estava bem pessimista não colocando carrego na entressafra, mas agora decidiu colocar deságio que chegou em R$ 7/@ nos meses curtos, apesar do mercado físico seguir firme como aroeira. “Distorção é oportunidade”, mas o mercado não é uma linha reta, nunca se esqueça.

Nestes grandes momentos de tensão, uma regra é importante: a melhor companhia são os números, ou seja a gestão. Apenas ela é capaz de inibir o sentimento de tensão, fazendo prevalecer a razão. Até a próxima semana, com saúde!


CASO QUEIRA DESFRUTAR O CONTEÚDO DO EPISÓDIO ACIMA, NA FORMA DE ÁUDIO (PODCAST), BASTA APERTAR O PLAY:



Artigos Relacionados

Um bovino, dois mercados (MiniFront)
  • 12 de Fevereiro de 2021
Se pagar R$ 300,00, o boi aparece?
  • 15 de Janneiro de 2021

Comentários ( 0)

Escreva um comentário

Next Sites

Oops... Página não encontrada.

Desculpe, mas a página que está a procura não existe.