Goiás complicando o meio de campo (MiniFront)

  • Por Rodrigo Albuquerque - 14 de Maio de 2022

Companheira(o) que carrega o pó da viagem,

Mercado sobre pressão. Há alguns motivos para isso, mas o principal é o nosso estado de Goiás, o “nosso meio de campo”, ou melhor, aquele que fica no meio do nosso campo de produção agropecuária chamado cerrado, no Brasil Central. Goiás, a terra do pequi, é para o boi algo como um camisa 10 do futebol. E quando ele não está bem, o time não funciona. Mas, antes de falar de Goiás, temos que dizer que há outros motivos satélites para pressionar o boi.

Allflex online: https://www.allflex.global/br/

Em primeiro lugar, cito que foi instalado um mercado de clima, com uma tal onda de frio intenso. Essa é a época do ano que comprador de frigorífico mais fala em clima, na esperança de que as temperaturas baixas esfriem o ânimo do pecuarista em resistir às ofertas menores que virão. Tem muito disso agora no mercado físico. Importante dizer que o mercado de clima faz muito efeito na bolsa também: nessa semana o milho novembro subiu 3.03%, enquanto o boi outubro caiu 1.44%!

Além disso, há a sazonalidade do meio de mês que não ajuda em nada, como é esperado...

Tudo que está descrito acima compõe o “pacote de maldades”, mas o fator decisivo é o nosso querido Goiás. Explico: a cultura do confinamento, tão enraizada quanto as duplas sertanejas,  fez surgir aqui muitas operações de engorda intensificada, várias delas no famoso Vale do Araguaia. Há muitos confinamentos, várias unidades grandes, de 5 a 75mil animais.


Muitos desses tem contratos de fornecimento para Mozarlândia, que é uma planta frigorífica grande e estratégica justamente por drenar toda essa produção do Vale e arredores. Essa unidade perdeu a habilitação China e, apesar de ter todas as demais habilitações para outros mercados relevantes, curiosamente a empresa decidiu mantê-la 100% parada! Alguns dizem que há outros motivos para essa decisão absolutamente intrigante.

Até que isso fosse de fato definido, algumas quinzenas se passaram e a produção desses mega confinamentos, verdadeiras indústrias de carne, foi se acumulando. A saída encontrada pela empresa foi desovar esses bois no mercado paulista. Resultado: escalas confortáveis para a maior empresa de abate do Brasil em SP, que é a locomotiva de preço do boi, encorajando-a a pressionar o boi paulista, e com isso, liderando o movimento de pressão que é sempre bovinamente acompanhado pelas demais empresas. É assim que a banda toca no boi do Brasil, direto e reto. Advinha para onde boleto desse frete e imposto GO/SP, está sendo enviado? Para o lombo surrado dos demais pecuaristas...

Enfim, estourou a represa dos bois goianos. Até que essa oferta represada, que chega junto com a oferta natural de final de safra, seja absorvida pelos demais estados, essa “enxurrada” está arrastando o preço para baixo. Confesso que de alguma maneira subestimei esse impacto, pois o mercado sinalizava no início de maio que o vale dos preços da safra havia ficado no retrovisor. Muita gente da indústria acreditava nisso também.

Mas... Isso tudo passa! Se a apuração financeira do confinamento estava péssima, arrume aí um adjetivo bem pior (deixo por sua conta), pois essa é a situação hoje.

Acredito fortemente num efeito rebote de mesma intensidade, em caminho contrário, pois se a oferta alta fala mais forte agora a despeito do recorde de exportações do primeiro quadrimestre (basta olhar os balanços divulgados pelos frigoríficos listados em bolsa), ela tende a gritar em direção oposta logo adiante. O que era para acontecer em final maio/junho pode estar sendo postergado para junho/julho. É o que temos para hoje.

Rodrigo Albuquerque

Aviso legal: nenhum conteúdo do Notícias do Front deve ser entendido como recomendação de venda/retenção/compra de qualquer ativo, título ou derivativo agrícola, ou ainda como recomendação de investimento, mas sim, deve ser entendido meramente como opinião pessoal na data da sua publicação.

CASO QUEIRA DESFRUTAR O CONTEÚDO DO EPISÓDIO ACIMA, NA FORMA DE ÁUDIO (PODCAST), BASTA APERTAR O PLAY:

Artigos Relacionados

Comentários ( 0)

Escreva um comentário