A pecuária do “quando” e do “como” e não “do quê” (Front)

  • Por Rodrigo Albuquerque - 10 de Janneiro de 2020

Companheira(o) que carrega o pó da viagem,

Como vai ser seu ano na pecuária? A resposta depende mais do que nunca da palavra “quando” e “como”. Cada vez menos, o resultado deriva do quê você faz... vamos entender adiante!

1)    RECADO DA “MÃE DINAH”
O ano de 2019 será eternamente lembrado como o ano da “mijada no pinico”, da “quebrada de mandioca”, da “pulada no mato”, da “cutiada”, do “come leite”, da “deitada no negócio”. Entendedores, entederão.

2)    BEEFRADAR (o mercado frio mesmo sem oferta)
40% queda | 45% estabilidade | 15% alta

3)    HORA DO QUILO
A alternância de anos amenos e desafiadores em relação ao milho tem sido uma tônica para o pecuarista. A regra está se confirmando novamente.

4)    TO BEEF OR NOT TO BEEF, A SUA REFLEXÃO SEMANAL
Perguntei a um comerciante da Av. 25 de Março, tradicionalíssima em SP: “como foi o Natal de 2019”? Ele me disse: “bem melhor. Nos últimos anos não tivemos Natal, simples assim. Este ano tivemos 15 dias de ótimo movimento, de festa. Ainda é pouco, para quem tinha 60 dias de festa nas vendas. Mas, vai melhorando”! Tudo a ver com o varejo da carne.

5)    O LADO “B” DO BOI
Prometi no final de 2019, que iniciaria 2020 entregando a brincadeira tradicional do Front, completando a frase: “estamos no final de 2020. Este ano foi . . .”. Vamos brincar com o futuro? Segue:

“Depois do êxtase, vem a ressaca. Assim começou 2020, sequência natural nos negócios e na vida, afinal de contas, negócios são feitos por pessoas. Da mesma forma que houve exagero na euforia (nos idos de nov/19), o ano mostrou que a ressaca inicial foi mais intensa do que deveria. Passado o impacto da indefinição do nível de retomada, o mercado mostrou-se firme, confirmando as expectativas vigentes.


A arroba mudou de patamar para todos, muito embora quem vendeu primeiro, ficou com a cabeça bem mais tranquila em boa parte do ano.
Feliz mesmo estão os criadores, finalmente valorizados por um período extenso. Justiça está sendo feita ao elo base de toda a cadeia pecuária. Apesar da arroba ter se mantido num patamar muito superior onde estava no final de 2018, a “financeirização espartana” da maioria dos recriadores e invernistas manteve o bezerro mais aquecido em comparação à arroba durante todo o ano. Os donos das vacas seguem colhendo frutos, com a demanda de machos de qualidade em fervura, bem como de fêmeas para o ciclo reprodutivo e para o fornecimento de carne de qualidade.

O mercado externo continuou com o seu ponteiro asiático, firme na comitiva mundial. Mas agora, o “Sr. Mercado” está mais bem dividido do que estava em 2019. A demanda do gigante China continua forte, mas outros parceiros comerciais ascendem. As incertezas político-econômicas externas (e bélicas) foram uma constante no ano, seguido de um dólar aquecido na maior parte do tempo. A guerra comercial EUA x China amenizou, o que não foi ruim para o Brasil, pois é melhor vender para um mundo inteiro em crescimento do que principalmente para apenas um parceiro.

O mercado interno é de fato, quem se encarregou de equilibrar melhor a demanda. Após anos de lama, e depois marasmo, finalmente tivemos um ano forte, estruturado desde a base após as reformas de 2019. Até o desemprego flerta com uma recuperação consistente. O forte do governo federal definitivamente deixou de ser a agenda dos costumes/família e passou a navegar no universo econômico (não sem abrir mão de polêmicas absolutamente desnecessárias). Ótimo: nada melhor para uma família do que um emprego!

Trocamos a euforia de 2019, por um movimento sustentado, firme e construtivo em 2020. A maior lição que fica é: não me diga o quê comprar/vender, diga-me quando comprar/vender. Diferentes nuances de resultados entre as “diversas pecuárias”, presentes no universo bovino do Brasil de 2020, estão ligadas a esta lição. O ano de 2021 desponta, mantendo o cenário construtivo e esperança em alta”!

E aí? Que tal? No final do ano, tiramos a prova.

Fotos em destaque: final de ano em família!

Artigos Relacionados

Secou o bagaço da baixa (Front)
  • 19 de Dezembro de 2020

Comentários ( 0)

Escreva um comentário

Next Sites

Oops... Página não encontrada.

Desculpe, mas a página que está a procura não existe.